quarta-feira, 2 de março de 2011

Como rodar rmvb, avi, flv e outros formatos no PS3

Fiquei um bom tempo nervoso com o PS3. Mas com o programa PS3 Media Server tudo se resolve. Precisa somente de uma conexão em rede entre o PS3 e seu computador. O ps3 vê seu computador e os arquivos nele colocado para compartilhar.

Baixa aqui ó = http://www.ps3mediaserver.org/

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Declaração do Nelsinho Piquet sobre a Renault

Nelsinho X-9...


"Eu, Nelson Ângelo Piquet, nascido em 25 de julho de 1985 em Heidelberg, Alemanha, morando atualmente em Mônaco, disse o que segue:

1 - Salvo prova em contrário, os fatos e declarações contidas neste depoimento são baseadas em fatos e assuntos de meu conhecimento. Acredito que os fatos e declarações contidos neste depoimento são verdadeiros e corretos. Sempre que quaisquer fatos ou declarações não estiverem dentro de meu próprio conhecimento, eles serão verdadeiros ao melhor de meu conhecimento e crença e, se este for o caso, indico a fonte deste conhecimento e desta crença.



2 - Faço esta declaração voluntariamente à FIA, a fim de permitir que ela exerça suas funções de supervisão e regulamentação no que diz respeito ao Mundial de Fórmula 1.

3 - Estou ciente de que existe um acordo entre os participantes do Mundial de F-1 e todos os titulares tem sua superlicença para assegurar a justiça e a legitimidade do campeonato, e estou ciente das consequências caso forneça à FIA informações falsas ou enganosas.

4 - Entendo que a minha declaração completa foi gravada áudio e que uma transcrição completa será disponibilizada para mim e para a FIA. O documento constitui um resumo dos principais pontos abordados durante minha declaração verbal.

5 - Gostaria de trazer os seguintes fatos ao conhecimento da FIA.

6 - Durante o GP de Cingapura, realizado no dia 28 de setembro de 2008, fui convidado pelo Sr. Flavio Briatore, que é tanto meu 'manager' quanto diretor da equipe Renault, e pelo Sr. Pat Symonds, diretor técnico da mesma equipe, a bater deliberadamente meu carro, a fim de influenciar positivamente o desempenho da Renault no evento em questão. Concordei com esta proposta e conduzi meu carro para acertar o muro, provocando um acidente entre as voltas 13 e 14.

7 - A proposta de provocar deliberadamente um acidente me foi feita pouco antes da corrida, quando fui convocado pelo Sr. Briatore e pelo Sr. Symonds no escritório do Sr. Briatore. O Sr. Symonds, na presença do Sr. Briatore, perguntou se eu estaria disposto a sacrificar minha corrida pela equipe por um safety car. Todo piloto sabe que o safety car entra na pista quando há um acidente que a bloqueia ou joga detritos, ou quando há um carro parado onde é difícil resgatá-lo, como foi o caso.

8 - No momento da conversa, estava em um estado mental e emocional muito frágil. Este estado de espírito foi provocado pelo estresse intenso causado pelo fato de que o Sr. Briatore se recusou a informar da existência da renovação de meu contrato de piloto para 2009, como habitualmente ocorre no meio da temporada (entre julho ou agosto). Ao contrário, o Sr. Briatore repetidamente pediu-me para assinar uma "opção", o que significava que eu não estava autorizado a negociar com outras equipes no mesmo período. Ele repetidamente me colocou sob pressão para prolongar a opção que tinha assinado, e iria me chamar regularmente em seu escritório para discutir a renovação, mesmo em dia de corrida - um momento que deveria ser apenas para concentração e relaxamento. Este esforço foi acentuado pelo fato de que, durante o GP de Cingapura, tinha me classificado em 16º no grid, então estava muito inseguro sobre meu futuro na Renault. Quando me pediram para bater o carro e provocar a entrada do 'safety car' a fim de ajudar a equipe, aceitei porque esperava que pudesse melhorar minha posição na equipe neste momento crítico da temporada. Em nenhum momento fui informado por qualquer pessoa que, ao concordar em provocar um incidente, eu teria garantido a renovação de meu contrato ou qualquer outra vantagem. No entanto, no contexto, pensei que seria útil para alcançar este objetivo. Por isso, concordei em provocar o incidente.

9- Após a reunião com o Sr. Briatore e o Sr. Symonds, o Sr. Symonds me puxou para um canto tranquilo e, usando um mapa, apontou-me para a curva exata da pista onde eu deveria bater. Esta curva foi escolhida porque aquele local específico não possui guindastes que permitiriam que um carro danificado pudesse ser rapidamente removido da pista, nem possui entradas laterais, o que permitiria que um fiscal pudesse empurrar rapidamente o carro para fora dela. Assim, considerou-se que um acidente neste lugar específico seria quase certo de provocar uma obstrução da pista e que, portanto, seria necessária a entrada do safety car a fim de permitir que a pista fosse limpa e para assegurar a continuidade da corrida.

10 - O Sr. Symonds também me disse em que volta exata, eu deveria provocar o incidente, de modo a proporcionar a meu companheiro de equipe, o Sr. Fernando Alonso, uma boa estratégia, já que ele faria seu reabastecimento pouco antes da entrada do safety car, durante a 12ª volta. A chave para a estratégia reside no fato de que o conhecimento de que o safety car entraria na pista entre as voltas 13 e 14 permitiu que a equipe fizesse no carro do Sr. Alonso uma estratégia agressiva de combustível, suficiente para chegar a 12 voltas, mas não muito mais. Isso permitiria que o Sr. Alonso ultrapassasse o máximo de carros possível, sabendo que os carros teriam dificuldade em recuperar o tempo perdido depois do pit stop devido à implantação posterior do safety car. A estratégia foi bem sucedida e o Sr. Alonso venceu o GP de Cingapura de F-1 de 2008.

11 - Durante as discussões, não foi feita qualquer menção de quaisquer preocupações no que diz respeito à segurança desta estratégia para mim, para os espectadores ou para os outros pilotos. O único comentário feito neste contexto foi realizado pelo Sr. Pat Symonds, que me alertou para "ter cuidado", dizendo que não deveria me ferir.

12 - Intencionalmente causei o acidente, deixando o carro sair lateralmente pouco antes da curva. A fim de me certificar que eu provocaria o acidente durante a volta certa, perguntei para a minha equipe por diversas vezes, através do rádio, para confirmar o número da volta, algo que não faria normalmente. Não me feri no acidente, nem ninguém.

13 - Após as discussões com o Sr. Briatore e o Sr. Symonds a "estratégia do acidente" nunca foi discutida novamente. O Sr. Briatore discretamente disse "obrigado" após o final da corrida, sem falar mais nada. Não sei se alguém tinha conhecimento da estratégia no início da corrida.

14 - Após a corrida, informei ao Sr. Felipe Vargas, amigo da família, o fato de que o acidente tinha sido intencional. O Sr. Vargas ainda informou meu pai, o Sr. Nelson Piquet, algum tempo depois.

15 - Depois da corrida, vários jornalistas perguntaram sobre o acidente e me questionaram se eu havia feito de propósito, porque sentiram que era "suspeito".

16 - Na minha equipe, o engenheiro do carro questionou a natureza do incidente, porque achou incomum, e respondi que tinha perdido o controle do carro. Acredito que um engenheiro inteligente notaria que os dados de telemetria indicariam que o acidente foi causado de propósito, já que continuei acelerando, enquanto que o "normal" seria frear o mais rapidamente possível.

Declaração de Verdade

Acredito e juro que os fatos citados nesta declaração são verdadeiros.

Este depoimento foi feito na sede da FIA em Paris, no dia 30 de julho de 2009, na presença do Sr. Alan Donnelly (chefe dos comissários da FIA), Sr. Martin Smith e Sr. Jacob Marsh (ambos investigadores da empresa Quest, mantidos pela FIA para ajudar na investigação). As notas foram tomadas pela Sra. Dondnique Costesec (Sidley Austin LLP).

Assinado:

Nelson Piquet Jr."

Retirado do site Globo.com

sexta-feira, 13 de março de 2009

Motivo de Devolução de Cheques - Códigos de Devolução.

Cheques sem fundos e/ou desprovido de valor monetário em conta corrente

Motivo 11: Insuficiência de fundos - Cheque sem fundos na 1ª apresentação.

Motivo 12: Insuficiência de fundos - Cheque sem fundos na 2ª apresentação.

Motivo 13: Conta encerrada. Não existente.

Motivo 14:
Prática espúria - Apresentação de mais de 3 cheques de conta encerrada no mesmo dia.

Cheques com impedimentos referentes ao pagamento

Motivo 20:
Folha de cheque cancelada por solicitação do correntista em caso de roubo, furto, extravio, etc.

Motivo 21: Sustação de pagamento. Contra-ordem ou oposição ao pagamento.

Motivo 22: Divergência ou insuficiência de assinatura. Acontece geralmente quando a assinatura é incompatível, por exemplo.

Motivo 23:
Cheques de algum órgão da administração federal que se encontra em desacordo com o Decreto-Lei nº 200.

Motivo 24: Bloqueio judicial e/ou determinação do BACEN (Banco Central).

Motivo 25:
Cancelamento de talonário pelo banco sacado.

Motivo 26: Inoperância temporária de transporte.

Motivo 27: Feriado municipal não previsto pelo calendário nacional.

Motivo 28: Sustação de pagamento. Contra-ordem ou oposição ao pagamento por motivos de furto e/ou roubo.

Motivo 29: Recebimento de talonário não foi confirmada pelo correntista.

Motivo 30: Roubo e/ou furto de malotes bancários.

Cheques com possíveis irregularidades

Motivo 31: Erro de preenchimento formal.

Motivo 32: Carimbo de compensação ausente e/ou com irregularidade.

Motivo 33: Divergência de endosso.

Motivo 34: Cheque apresentado pelo banco que não o indicado no cruzamento marcado em preto e sem o endosso-mandato;

Motivo 35: Cheque falsificado, com indícios de fraude emitido sem controle ou responsabilidade do banco ou ainda com adulteração da praça sacada. Mais conhecido como Motivo Universal.

Motivo 36:
cheque emitido com mais de um endosso: Lei nº 9.311/96.

Motivo 37: Registro inconsistente - CEL (Compensação Eletrônica).

Cheque com apresentação indevida e/ou errônea

Motivo 40: Moeda inválida e/ou inexistente.

Motivo 41: Cheque apresentado a banco que não o sacado.

Motivo 42: Cheque não compensável e/ou sistema de compensação em que apresentado e/ou recibo bancário trocado

Motivo 43: Cheque devolvido anteriormente pelos motivos 21, 22, 23, 24, 31 e 34, persistindo o motivo de devolução.

Motivo 44: Cheque prescrito.

Motivo 45:
Cheque emitido por entidade que realiza movimentação e utilização de recursos financeiros vindos do tesouro nacional com ordem bancária.

Motivo 46:
Comunicação de Remessa (CR) para cheques que não forem entregues no prazo estipulado.

Motivo 47:
Comunicação de Remessa (CR) com ausência e/ou inconsistência dos dados obrigatórios em questão.

Motivo 48: Cheque de valor superior a R$ 100,00 sem identificação do beneficiário. Cheque nominal.

Motivo 49:
Remessa inválida por causa da reapresentação de cheque devolvido pelos motivos 12, 13, 14, 20, 25, 28, 30, 35, 43, 44 e 45.
Cheques de cooperativas de crédito

Motivo 71: Cheque com nadimplemento contratual da cooperativa de crédito diante da compensação.

Motivo 72:
Cheque com contrato de compensação encerrado e/ou finalizado.


COPIADO DESCARADAMENTE DO Sósia do Syler

quarta-feira, 11 de março de 2009

Maíra BBB 2009 de Boca Cheia


Está rolado um papo por aí que há um vídeo da tal Maíra do BBB 2009 que saiu da casa nesse último paredão. Sem mais delongas, o link para você baixar o vídeo. Tem 3 megas +/-.

P.S - A menina confessou aqui

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Enquanto isso em uma quebrada qualquer.

Djalmão
 
Na favela dois homens entram num  barraco arrastando um cara pelos
braços. Lá dentro, o Djalmão, um negão enorme  limpa as unhas com um
facão.
 
- Djalmão, o chefe mandou você  comer o cu desse cara aí, que é para
ele aprender a não se meter a valente com o  nosso pessoal.
 
- Pode deixar ele aí no cantinho  que eu cuido dele daqui a pouco.
 
Quando o pessoal sai o rapaz  diz:
 
- O seu Djalmão, faz isso comigo  não, depois de enrabado minha vida
vai acabar, tem piedade pelo amor de  Deus!
 
- Cala a boca e fica quieto  aí!
 
Pouco depois mais dois homens  arrastando outro cara:
 
- Esse ai o chefe mandou você  cortar as duas mãos e furar os olhos é
para ele aprender a não tocar no dinheiro  da boca.
 
- Deixa ele aí que eu já  resolvo.
 
Daí a pouco chega outro pobre  coitado:
 
- Djalmão, esse o chefe quer que  você corte o pinto e a língua para
ele não se meter com mais nenhuma mulher da  favela!
 
- Já resolvo isso. Bota ele ali no  cantinho junto com os outros.
 
Mais alguns minutos entra outro:
 
- Aí Djalmão, esse aí é pra você  cortar em pedacinhos e mandar cada
pedaço pra família dele.
 
Nisso o primeiro rapaz diz em voz  baixinha, baixinha:
 
- Seu Djalmão, por favor, com todo  respeito, só pro senhor não se
confundir: O cara do cu sou eu,  tá?
 
Moral da História:


Conforme a  gente vai conhecendo os problemas dos outros,

percebemos que o nosso nem é tão grande assim.

Enquanto isso no Timão...

Ronaldo sobre carga pesada: ‘São dores que me dão prazer’



















Sei....








quarta-feira, 23 de julho de 2008

Duas conexões de internet em uma rede

Olha, achava que seria impossível isso, mas aqui no escritório como usamos muito o voip e nossa querida Oi/Telemar não disponibilizar banda larga com mais de 1 Mbps.
Aqui, já temos uma rede configurada e um bom switch. Peguei os dois modens para rotear e na hora de colocar o IP fixo de cada, um eu coloquei 192.168.1.1 e o outro 192.168.1.5. Coloquei o segundo como 192.168.1.5 pois aqui tem um modem Wire less com o final ".2" e outro aparelho ATA com final ".4". Depois dos modens reteados eu simplesmente instalei eles no switch diretamente e configurei os Gateway Padrão. Isso deu certo tendo cada computador com o seu ip configurado lá em propriedades da conexão. Não tentei e provavelmente não seria lógico tentar colocar na configuração de TCP/IP como "Obter um endereço de IP automático". Colocando o Ip de cada um, posso escolher qual a net cada um usará simplesmente trocando o numero final de gateway padrão. Nesse caso a metade dos computadores fica com o Gateway 192.168.1.1 e a outra metade 192.168.1.5.

Simples assim.